Fibra ótica, um termo que certamente já ouviu falar. Mas para que serve esta tecnologia e qual a sua constituição?

Constituição da fibra ótica

A fibra ótica é um filamento flexível e muito fino (da espessura de um fio de cabelo), constituída por um vidro ótico puro, plástico ou outro isolante eléctrico, sendo o seu principal objectivo permitir a transmissão de informação digital e sinais de luzes ao longo de grandes distâncias.

 

Apesar de o seu desempenho ser altamente complexo, a sua estrutura é simples de descrever. Assim sendo, a fibra ótica é composta por três partes:

Núcleo: pequeno centro de vidro da fibra, no qual a luz percorre o seu caminho;

Interface: material ótico externo que envolve o núcleo e espelha a luz de volta para ele;

Capa protectora: cobertura plástica que protege a fibra de estragos e humidade.

 

Constituição da fibra ótica

 

Tipos de fibra ótica

Existem dois tipos de fibra ótica – as fibras monomodo e as fibras multimodo, que passamos a descrever cada uma delas:

 

Fibras monomodo

Tal como o nome indica, a transmissão de luz lazer infravermelha é feita por apenas um modo, uma vez que este tipo de fibras é composta por núcleos pequenos. Isto significa que a largura da banda é maior, logo verifica-se uma menor dispersão de luz, permitindo assim a propagação de sinais a longas distâncias. Em comparação com as fibras multimodo, a sua qualidade é superior, logo a sua produção também é mais cara.

 

Fibras multimodo

Este tipo de fibras também transitem luz infravermelha, tal como as fibras monomodo, no entanto têm uma maior abrangência ao usar também o LEDs (diodo emissor de luz). Possuem núcleos maiores e, por isso, pode circular mais de um sinal no seu filamento. São as fibras multimodo as usadas com maior frequência nas comunicações de curta distância, como redes locais (LAN).

 

Descubra o que é nanotecnologia e quais são as suas aplicações. Conhece a diferença entre um fio e um cabo condutor eléctrico?

 

Onde é usada a fibra ótica?

Estamos muito habituado a ouvir falar da fibra óptica com aplicabilidade nas telecomunicações, no entanto a sua utilização estende-se à medicina, nomeadamente aos exames médicos, tais como endoscopias, broncoscopias, ou laparoscopias e cirurgias correctivas de problemas ao nível da visão.

 

Benefícios da utilização da fibra óptica

Tal como vimos, é no campo das telecomunicações que as fibras óticas têm maior uso, e é nesta área que se verificam os maiores benefícios. Actualmente as fibras óticas estão cada vez mais a substituir os fios de cobre, uma vez que estas não sofrem interferência electromagnética devido à sua característica isolante, e, além do mais, são tão finas que podem ser estiradas com diâmetros menores do que um fio de cobre;
Para além disso, o material mais utilizado para a produção das fibras é o vidro, produzido da sílica, mais especificamente do quartzo, e este mineral existe em grandes quantidades, logo o seu custo de produção é menor quando comparado com o cobre. Isto traz vantagens económicas tanto para o fornecedor de televisão por cabo e internet, como para o próprio consumidor.

Através da fibra óptica verificamos que existe uma maior capacidade de transmissão e, ao mesmo tempo uma menor perda do sinal, isto porque a fina dimensão da fibra óptica permite que uma maior quantidade de linhaspasse pelo mesmo cabo ou que mais canais sejam transmitidos para a televisão por cabo.

 

Conhecia todas estas características da fibra ótica?