Como é feito o papel? Conheça neste artigo as técnicas e tecnologias utilizadas no fabrico de papel.

É do conhecimento comum que o ingrediente principal para a produção do papel é a madeira. Mas para chegar ao papel, são vários os passos necessários para transformar a madeira em papel que todos os dias utilizamos. Conheça neste artigo as várias etapas necessárias e quais as técnicas utilizadas na produção do papel.

 

Corte da madeira e descasque

Após o abate das árvores, estas são reduzidas em troncos, sendo depois transportadas para a fábrica onde vai ser feito o papel. Ao chegarem, os troncos são introduzidos num grande tambor, que ao girar vai fazer com que sejam esfregados uns contra os outros, eliminando assim toda a casca, que não é utilizada no fabrico de papel.

 

Passagem para aparas e pasta

Depois dos troncos devidamente descascados, são transportados para uma outra unidade, que através de potentes rolos afiados os reduz a pequenas aparas. Estas aparas são posteriormente colocadas numa espécie de panela de pressão gigante, chamadas digestor. Nestas caldeiras de pressão, as aparas são misturadas começando a ser gradualmente reduzidas a uma pasta, semelhante a uma papa viscosa.

 

Extracção da água e secagem

A pasta produzida nos tanques de compressã é retirada, ficando a repousar numa mistura de fibra e água em grandes quantidades (uma parte de fibra para 200 partes de água).  Depois de descansar, a pasta é espalhada sobre uma rede, que através de centrifugação a grande velocidade, começa a extrair toda a água, sobrando uma fina camada de papel em estado bruto.

 

Secagem e compressão

Para secar e solidificar o papel em bruto, este é submetido a uma compressão em vários rolos aquecidos, retirando toda a humidade que ainda possa restar. Depois da secagem, o papel é comprimido em vários cilindros de compressão, começando aqui a ganhar a sua forma e textura que todos nós conhecemos.

 

Tratamento

Por último, o papel recebe uma solução de amido que vai criar uma espécie de impermeabilização na sua superfície, impedindo que tinta em excesso possa ser absorvida pelo papel durante a sua impressão.

 

fábrica de papel - rolos de papel finalizado

Rolos de papel finalizados (fonte: Soporcel)

Outros artigos que vai gostar de ler:

- Conheça muitas das tecnologias de reprodução gráfica existentes
- Sabia que havia uma impressora que imprime chocolate em 3D?
- Saiba mais sobre as impressoras 3D

 

História do papel

Registos oficiais afirmam que a origem do papel teve origem na China, no ano 105 d.c., por Ts’Ai Lun, que usou cascas de amoreira, bambú, redes de pesca, roupas velhas e cal dentro de um recipiente com água, desintegrando as fibras e formando uma pasta que era posteriormente prensada e seca em muros.

No ano 300 d.c., o papel em forma de fibras era usado de forma regular por pessoas da igreja, como forma de registar textos académicos ou religiosos. Quase três séculos mais tarde, no ano 589, os chineses começam a usar o papel higiénico.

Poucos anos depois, o papel passa a ser utilizado para outras finalidades, como por exemplo, embrulhar produtos, prendas e substâncias venenosas. O papel deixa o Extremo Oriente no ano 750 d.c. e aparecem as primeiras fábricas hidráulicas para a produção de papel.

Só muitos anos mais tarde começam a aparecer as primeiras fábricas no Ocidente, primeiramente em Itália e depois na Alemanha, por volta do ano 1220. A primeira máquina de fabrico contínuo de papel surge em 1801, pelas mãos de Henry Fourdrinier e John Gamble. A máquina de fabrico de pasta de papel surge poucos anos depois.

Quando o papel começa a ser produzido em grandes quantidades, no início do século 20, faz com que comecem a aparecer muitos textos escritos, dando origem ao aparecimento dos jornais diários.